FGV/ABS NEWS

Autor: - America BS | Data: 05 de Maio de 2020

A importância do gerenciamento financeiro das empresas perante a crise





As empresas enfrentam um momento de crise jamais vista, é normal observar um movimento de urgência em manter o negócio vivo. Um dos maiores problemas enfrentados, é o caixa da organização, por isso, o cuidado com o gerenciamento financeiro é tão importante.

Para discutir esse tema, que chama a atenção dos empresários, a América BS, licenciada FGV, promoveu um webinar pelo seu canal do YouTube. O mediador Luiz Paulo Teixeira, recebeu os convidados Carlos Alberto dos Santos Silva, Leonardo Pazzini e André Salerno.

Relação entre o impacto da crise e as empresas

O primeiro passo importante de um empresário, é se manter informado, ainda mais durante essa crise causada pela COVID-19.

Leonardo lembra que, nesse momento de segurar o caixa da empresa, se manter ciente das novidades é importante. Um dos exemplos, é sobre as medidas do governo, que podem ajudar as organizações e funcionários, como a MP 936 (Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda).

Com a paralisação brusca do caixa, empresários estão buscando crédito para suprir a folha de pagamento, no entanto, como alerta André, eles estão tendo dificuldade de acesso à algumas linhas de crédito disponibilizadas pelo governo, como o BNDES.

Por isso, o convidado reforça que o planejamento de caixa é tão importante. Empresas que tinham essa organização, estão sofrendo menos com os impactos da crise, já as organizações que não tinham caixa, sofrem mais e a saída às vezes é partir para atitudes mais drásticas.

Crises sempre existiram, mesmo que nunca vista dessa forma tão agressiva, mas ciclos econômicos vêm e vão. Certamente as empresas melhores preparadas, irão superar este momento com menos traumas.

Pensando na questão de se preparar para o futuro, André lembra ainda que é necessário pensar estratégias e tecnologia da informação, além de contar com gestores preparados para uma próxima crise ou uma baixa na economia, isso fortalecerá as empresas e estas terão impactos menores consequentemente.

Gerenciamento para tomada de decisões

Alguns empresários enfrentam a primeira crise da carreira. Aqueles que empreendem há pouco tempo estão assustados, ainda mais com a escassez do caixa.

O princípio para a saída, nesse momento, é o mesmo para os pequenos e grandes empresários: organização e informação de caixa. Ainda existe um amadorismo grande nas organizações quanto à questão financeira, e os convidados deste webinar alertam para isso.

Carlos, indica sistemas como o DRE (Demonstração do resultado do exercício), que é um meio de mostrar as vendas, receitas, despesas e custos, sendo possível apurar os resultados.

O convidado também enfatiza que as empresas dependem dessas informações e não podem viver sem o controle do fluxo de caixa, além de manter boa relação com a contabilidade, visto que, alguns empresários não se envolvem com essa área da organização.

Para uma tomada de decisão, ainda mais em cenários de crise onde se espera agilidade, a transformação digital se tornou muito importante, e esse momento de isolamento social mostrou isso de forma prática.

A tecnologia se tornou acessível da pequena à grande empresa, lembra André. Por isso, o tema deve estar em pauta agora mais do que nunca. As ferramentas digitais devem ser utilizadas para organização do fluxo de informações.

Como buscar socorro para quem não se organizou?

Empresas que não tinham um plano financeiro sólido que garantisse um caixa forte para momentos de baixa como o de agora, têm que buscar fôlego para conseguirem sobreviver a este momento.

Uma das primeiras saídas, é tentar renegociar contratos e ser transparente, fornecedores têm que saber o que realmente se passa com a organização. O momento é de ajuda mútua, por isso, se espera uma integração entre a empresa e fornecedores para buscar alongar prazos e descontos.

Outra decisão importante, alerta Leonardo, é olhar para o estoque da empresa que está parado, e isso não gera lucro e nem paga fornecedores portanto, é hora de focar em vender esses produtos que já estão pagos e gerar caixa.

A tarefa de casa deve ser feita pelos empresários: passar um “pente fino” na empresa, identificar custos desnecessários, reduzir gastos e analisar o que pode ser repensado neste momento.

O que deve mudar nas empresas pós-COVID-19

Além do olhar mais crítico aos custos que se espera nas empresas, outros pontos interessantes devem ser observados após a retomada dos negócios, como a revisão da base de custos e o maior cuidado com novos investimentos.

Uma das mudanças já apontadas por empresários é o aumento da produtividade dos funcionários durante o home office, espera-se que essa alta acompanhe a volta das empresas. Os colaboradores devem produzir na mesma medida de seus salários para não causar um déficit na organização, aponta o mediador Luiz Paulo.

O profissionalismo deve tomar conta dos negócios. Empresários ainda misturam suas finanças pessoais com a profissional e como resultado, não sabem onde estão os lucros. Isso cria uma confusão enorme nas contas.

É preciso cuidado com a gestão como um todo, ainda mais pensando na retomada sem deixar de lado a preparação para baixas futuras, o momento propicia novas oportunidades e criatividade dos empresários.

Segundo André, o comportamento de compras deve mudar, como consequência, o convencimento das empresas e o funil de vendas deve ser alongado e mais intenso. As empresas que entendem melhor a jornada de compra do seu cliente e que têm mais informações para tomada de decisões, vão ganhar competitividade e sair na frente, complementa Luiz.

Uma importante mudança para os empresários apontada por Carlos, é ouvir mais os colaboradores. De uma conversa informal, podem surgir novos negócios e oportunidades interessantes.

A retomada vai ser gradual e cheia de desafios, mas promete novidades às empresas. Tanto organizações quanto profissionais, precisam se atualizar e se adequar ao novo jeito de trabalhar, cada setor e ofício com a sua particularidade, para estarem preparados à chegada da nova normalidade.